Centro de Ciências Agrárias
  • Relatório de Gestão 2017 – 2020

    Publicado em 24/12/2020 às 13:45

    A equipe de Gestão do CCA apresenta o Relatório da Gestão 2017 – 2020.

    Confira também o vídeo com resumo das principais ações do mandato.

    Aproveitamos para desejar muito sucesso para a nova gestão do CCA que, pela primeira vez na história do Centro, será ocupada exclusivamente por mulheres, as professoras Rosete Pescador e Marlene Grade.

    Feliz Natal à toda a comunidade do CCA


  • Projeto do CCA contabiliza doação de 2 toneladas de alimentos agroecológicos a mais de mil pessoas na pandemia

    Publicado em 18/12/2020 às 14:38

    A parceria entre o Mandato Agroecológico e o Núcleo de Agroecologia da Fazenda Experimental da Ressacada da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) iniciou-se em abril deste ano e implementou o Projeto Plantio Agroecológico Solidário (PAS). A iniciativa contou com a coordenação das professoras Patrizia Ana Bricarello e Marília Carla de Mello Gaia, ambas do Núcleo de Agroecologia UFSC, e do professor Ilyas Siddique, do Laboratório de Ecologia Aplicada (LEAP/UFSC).

    O projeto foi desenvolvido em uma área de aproximadamente 3,7 mil m² de plantio: 2,5 mil m² é a área coordenada pelo Núcleo de Agroecologia; e 1,2 mil m² é a área de agrofloresta, coordenada pelo LEAP/UFSC. O PAS possui vários parceiros, dentre eles está o LEAP, a Fazenda Experimental da Ressacada (FER), o Viveiro de Mudas da FER, o Setor de Avicultura da FER, o Centro de Ciências Agrárias (CCA/UFSC), o Centro de Estudos e Promoção da Agricultura de Grupo (Cepagro), o Laboratório de Educação do Campo e Estudos da Reforma Agrária (Lecera) e o Sesc Cacupé.

    De abril a dezembro deste ano, o projeto já fez a doação de mais de 2 toneladas de alimentos agroecológicos e biodinâmicos (sem veneno). Mais de mil pessoas receberam doações do PAS, seja em forma de marmitas preparadas pelas cozinhas comunitárias ou os alimentos in natura.

    Campanhas solidárias parceiras no período:
    Campanha Covid-19
    Floripamor
    Casa São José da Serrinha
    Mutirão do Bem Viver
    Coletivo Buva

    Cozinhas comunitárias no período:
    Cozinha Solidária do Ribeirão da Ilha
    Cozinha de Todes
    Templo Hare Krishna (ISKCON)

    Também foram beneficiados com as doações do PAS:
    Estudantes da UFSC (em situação de vulnerabilidade)
    Terceirizados da UFSC (em situação de vulnerabilidade)
    Igreja Batista
    Famílias Haitianas

    Durante o decorrer do projeto ocorreram nove encontros virtuais de formação para o voluntariado. Entre os temos abordados estavam: Agroecologia, Agricultura Biodinâmica, Homeopatia Vegetal, Sistemas Agroflorestais, Veganismo, Agrotóxicos e a Lei Municipal 10.628 de 08/10/19, Adubação Verde, Pastoreio Racional Voisin e “É permitida a presença de agrotóxicos na água que bebemos?”.

    O projeto rendeu ainda frutos acadêmicos, como a apresentação de dois trabalhos científicos em dois eventos (Congreso Latinoamericano de Agroecología, Montevidéu – Uruguai, e 38° Seminário de Extensão Universitária da Região Sul, Universidade Estadual de Londrina), além do início de um projeto de Iniciação Científica sobre a utilização do descarte da lã das ovelhas para cobertura do solo dos canteiros das hortaliças

    Fonte: Site UFSC


  • Convite para posse da nova Direção do CCA

    Publicado em 17/12/2020 às 15:21

    Hoje foram emitidas as portarias das professoras Rosete Pescador e Marlene Grade para a Direção do CCA, gestão 2021 – 2024.

    A cerimônia de posse das novas diretoras acontecerá amanhã, 18 de dezembro de 2020, às 14h30min pelo canal do youtube do Conselho Universitário da UFSC, durante a sessão solene do mesmo.
    Nesta sessão também ocorrerá o cerimonial de homenagem aos 60 anos da UFSC.

    A professora Rosete Pescador foi escolhida como uma das novas diretoras para discursar na cerimônia.
    Desde o resultado das eleições, a atual direção do CCA está realizando o trabalho de transição para a nova, que pela primeira vez na história do CCA será composta somente por mulheres.

    A nova direção entrará em exercício a partir do dia 26 de dezembro de 2020.

    Convidamos a todos para assistirem a cerimônia de posse e desde já, parabenizamos as novas diretoras e desejamos muito sucesso e realizações em seu mandato.


  • Programa de Pós-Graduação em Agroecossistemas (PGA) lança Boletim Informativo em comemoração aos seus 25 anos

    Publicado em 17/12/2020 às 15:18

    A coordenação do PGA juntamente com as Pós-doutorandas do Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD) do PGA publicaram  o IV Boletim Informativo do PGA.

    O  boletim traz informações e acontecimentos envolvendo os discentes e docentes do PGA ocorridos no segundo semestre de 2020.

    O boletim comemorativo aos 25 anos do PGA, destaca uma nota da direção do CCA e uma carta da pró-reitoria de pós-graduação da UFSC e o primeiro cartaz com informações do mestrado de 1995.
    Acesse neste link a íntegra do Boletim 


  • Resultado para representantes docentes ao Conselho Universitário

    Publicado em 08/12/2020 às 21:17

    A comissão eleitoral anuncia  o resultado do processo eleitoral  para representantes docentes no Conselho Universitário da UFSC – Cun.

    A  chapa formada pela docente  Carmen Maria Oliveira Müller (SIAPE nº 2047824) como como membro efetivo e docente  Tiago Montagna (SIAPE nº 3091229), como membro SUPLENTE, obtiveram o seguinte resultado:

    60 votos de docentes,  sendo:

    55  votos SIM (91,7%) votos Sim

    5 votos em Branco  (8,3%)


  • Professora da UFSC está entre autores com maior número de publicações sobre bem-estar animal no mundo

    Publicado em 03/12/2020 às 10:56

    Uma pesquisa bibliométrica publicada na conceituada revista Animals identificou a professora da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Maria José Hötzel, pesquisadora nível 1-A do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), entre os autores com o maior número de publicações sobre bem-estar animal no mundo. A UFSC também figurou como uma das instituições que mais têm publicado na área, e o CNPq e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) foram destaques no fomento à pesquisa.

    Fruto de uma parceria entre a Universidade de Queensland (Austrália) e a Universidade Federal do Paraná (UFPR), o levantamento teve como autores Clive Phillips e Carla Molento. A pesquisa bibliométrica examinou a produção de publicações sobre bem-estar animal por meio do Web of Science, um dos bancos de dados mais populares do mundo. Foram consideradas publicações ocorridas entre 1990 e maio de 2020 em 22 idiomas.

    “Estudamos a literatura científica sobre bem-estar animal que foi publicada em periódicos, tanto por cientistas em centros de bem-estar animal como por aqueles fora destes centros. Descobrimos que a literatura dos centros têm maior probabilidade de reconhecer o financiamento da indústria, o que parece trazer oportunidades para os respectivos cientistas conduzirem mais pesquisas em seu campo, mas também pode tornar difícil para esses cientistas defenderem melhorias no bem-estar animal se elas entrarem em conflito com os objetivos da indústria”, afirmam os autores no resumo do artigo.

    Os centros de bem-estar animal são considerados grupos de pesquisa e ensino apropriados a instituições como universidades. Acredita-se que a primeira iniciativa nesse sentido tenha sido o Animal Welfare Institute dos Estados Unidos, fundado em 1951. Já o primeiro artigo de um centro universitário de bem-estar animal foi publicado em 1978, segundo os pesquisadores, pela Estação de Bem-Estar Animal da Escola Veterinária da Universidade de Budapeste.

    Resultados da pesquisa

    A pesquisa detectou 4.851 registros que incluíam o termo “bem-estar animal” em seus endereços. Desse total, 4.404 (91%) foi publicado em inglês, 373 em alemão, 46 em polonês, 11 em espanhol, 10 em português, 3 em húngaro, 2 em holandês e 2 em francês. Os principais autores com mais de 100 publicações eram provenientes da Austrália, Canadá e Alemanha.

    A professora Maria José Hötzel aparece no levantamento na 15ª colocação, com 53 registros contabilizados. A docente integra o Departamento de Zootecnia e Desenvolvimento Rural do Centro de Ciências Agrárias da UFSC desde 2006, no entanto, iniciou como bolsista recém-doutor do CNPq e professora visitante ainda em 1997. Ela explica que o interesse pelo estudo do bem-estar animal surgiu após o doutorado, quando conheceu o professor Luiz Carlos Pinheiro Machado Filho – hoje seu colega no Laboratório de Etologia Aplicada e Bem-Estar Animal, o LETA.

    “Bem-estar animal é um conceito de natureza ética e está ancorado no reconhecimento de que os animais têm sentimentos, ou seja, são seres sencientes. (…) O comportamento animal é um tema fascinante; é um grande desafio desenhar e desenvolver estudos para entender como e por que ocorrem os comportamentos nas diferentes espécies animais. Estudar e discutir o aspecto ético do bem-estar animal me interessa muito, e é um tema excelente para desenvolver pensamento crítico nos estudantes”, ressaltou a professora.

    Maria José destaca ainda que o assunto está em crescente discussão, tanto pelo público em geral quanto por associações e fóruns das profissões agrárias e biológicas, além do setor produtivo. “O tema vem ganhando destaque e passou a ser mais discutido em função da pandemia, que evidenciou o problema das zoonoses [doenças infecciosas que se transmitem entre animais e humanos]. Em diferentes medidas, todos esses atores sociais estão se conscientizando da enorme relevância de criar relações adequadas com os animais para evitar e controlar zoonoses”, afirmou. De acordo com a professora, para se avançar realisticamente no sentido de evitar ou minimizar problemas como zoonoses e resistência bacteriana aos antibióticos, bem como produzir alimentos para a crescente população humana, é necessário repensar os sistemas de criação dos animais.

    Destaque para UFSC, CNPq e Capes

    Outro ponto de destaque na pesquisa veiculada na revista Animals foi a posição da Universidade Federal de Santa Catarina entre as principais instituições com publicações na área. A UFSC figura na lista no 22º lugar, com 69 registros. Nas três primeiras colocações do ranking aparecem: University of British Columbia, do Canadá, com 524 publicações; University of Queensland, na Austrália, com 253; e University of Melbourne, na Austrália, com 250.

    Para a professora Maria José Hötzel, este reconhecimento deve servir a todos como estímulo e valorização do esforço pessoal e do grupo. “No contexto da internacionalização da ciência e dos esforços da UFSC, esse reconhecimento é muito importante, pois valoriza as colaborações atuais e abre um potencial para novas parcerias”. Ela explica que sua pesquisa na área de etologia e bem-estar animal é toda desenvolvida em colaboração com os professores Luiz Carlos Pinheiro Machado Filho e Denise Pereira Leme e estudantes de graduação e pós-graduação, além de alguns colaboradores internacionais. “Ou seja, esse reconhecimento é do LETA, que é o laboratório mais antigo no Brasil na área de Etologia Aplicada, e do Programa de Pós-Graduação em Agroecossistemas, que este ano fez 25 anos”, reforça.

    Além dos autores e das instituições, a pesquisa apontou ainda as principais fontes de financiamento para a realização das pesquisas. Nesta categoria, o Brasil teve dois destaques entre as quatro primeiras colocações: o CNPq em segundo lugar, com 100 publicações; e a Capes, em quarto, com 66 publicações.

    A docente da UFSC classifica o papel destas instituições de fomento como “fundamental”. “Hoje praticamente todo o nosso trabalho é apoiado pelo CNPq, Capes e também pela Fapesc [Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação de Santa Catarina], através de bolsas de estudantes e dos professores, financiamento à pesquisa e apoios a intercâmbios internacionais. Em todas as nossas publicações aparece esse reconhecimento pelo financiamento das bolsas e da pesquisa, o que é também importante para a projeção internacional da pesquisa feita no Brasil”, finalizou.

    Maykon Oliveira/Jornalista da Agecom/UFSC

     

    Fonte: Agecom

    Professora da UFSC está entre autores com maior número de publicações sobre bem-estar animal no mundo


  • Projetos da UFSC nas áreas marinha e oceânica são contemplados em editais da União Europeia

    Publicado em 01/12/2020 às 19:13

    A Universidade Federal de Santa Catarina teve cinco projetos de pesquisa nas áreas marinha e oceânica contemplados em editais Horizon 2020 da União Europeia, envolvendo professores, pós-doutorandos e alunos do Centro de Ciências Agrárias (CCA), Centro de Ciências Biológicas (CCB) e da Coordenadoria Especial de Oceanografia: AquaVitae, TriAtlas, iAtlantic, Mission Atlantic e AtlantECO. Cada um dos cinco projetos constitui um consórcio com dezenas de universidades e centros de pesquisa de diferentes países banhados pelo Oceano Atlântico, com o objetivo de compreender padrões e processos oceanográficos e do cultivo de organismos marinhos em grande escala.

    Confira os projetos contemplados:

    projeto Aquavitae tem como objetivo desenvolver pacotes tecnológicos para novas espécies, processos e produtos que contribuam para o incremento da produtividade e da sustentabilidade em espécies emergentes aquícolas de baixos níveis tróficos e espécies de baixo e alto nível trófico com cadeias produtivas estabelecidas de alto valor em países banhados pelo oceano Atlântico. Coordenado pela NOFIMA/Noruega, ele envolve 29 centros de pesquisas e universidades e mais 7 parceiros da indústria. A UFSC é representada pelo Laboratório de Camarões Marinhos (LCM) e secção de Macroalgas/LCM, e tem participação em três subprojetos: 1) cultivos em bioflocos e cultivos multitróficos integrados (AMTI) com uso da tecnologia de bioflocos, 2) Cultivos de novas espécies de macroalgas, 3) Uso de ingredientes de baixo nível trófico em dietas para organismos aquáticos. O coordenador na UFSC é o professor Felipe do Nascimento Vieira (CCA).

    projeto TRIATLAS tem como objetivo principal compreender o estado dos ecossistemas marinhos do Atlântico Sul e Tropical e sua evolução futura para o manejo sustentável das atividades humanas que afeta o Oceano Atlântico como um todo. Neste projeto será feita uma abordagem sistêmica de dados observacionais coletados em sete cruzeiros oceanográficos com outros dados pré-existentes e modelagem numérica. Além da UFSC, 34 instituições de vários países da Europa e África estão envolvidas neste projeto sob a coordenação geral da Universidade de Bergen. O grupo UFSC investigará a ocorrência de ondas de calor marinhas no Atlântico Sul e Tropical, bem como seus efeitos nos ecossistemas marinhos. A coordenadora na UFSC é a professora Regina Rodrigues (Oceanografia).

    projeto iAtlantic conta com a participação de 33 universidades e institutos de pesquisa da Europa, Estados Unidos, Brasil, Argentina e África do Sul. As pesquisas são realizadas em áreas oceânicas e de mar profundo e visam a obtenção de dados e a integração do conhecimento em grande escala. A coordenação geral é da Universidade de Edinburgh e, no Brasil, o projeto é desenvolvido pela UNIVALI, USP, UFES e UFSC. O grupo UFSC é representado pelo Laboratório de Biodiversidade Marinha, responsável pelo registro e identificação de corais, que são importantes formadores de habitat no Oceano Atlântico. Além de materiais já disponíveis para estudo, o projeto está organizando expedições oceanográficas em 2021, que contarão com a participação da UFSC e dos demais parceiros do Brasil. O coordenador na UFSC é o professor Alberto Lindner (CCB).

    O projeto Mission Atlantic congrega especialistas da Europa, Brasil, África do Sul, Canadá e EUA com objetivo comum de mapear e avaliar os riscos atuais e futuros das mudanças climáticas, desastres naturais e atividades humanas para os ecossistemas do oceano Atlântico. Usando modelos oceânicos de alta resolução, redes neurais artificiais, métodos de avaliação de risco e abordagens estatísticas avançadas, o Mission Atlantic avaliará com precisão as pressões impostas aos ecossistemas marinhos do Atlântico, identificando as partes que correm maior risco de desastres naturais e as consequências das atividades humanas. No Brasil os parceiros são a UFSC, USP e Marinha do Brasil. A UFSC participa em dois estudos de caso: Plataforma continental sudeste-sul do Brasil e Ilhas da Dorsal Atlântica e conta com integrantes do Laboratório de Biogeografia e Macroecologia Marinha (LBMM) e do Laboratório de Gestão Costeira Integrada (LAGECI). Os coordenadores na UFSC são o professor Sergio Floeter (CCB) e a professora Marinez Scherer (Oceanografia).

    projeto AtlantECO conta com 36 organizações de 13 países e com objetivo de explorar o Oceano Atlântico de polo a polo. O projeto irá mapear conhecimentos novos e existentes sobre os organismos microscópicos que habitam rios, águas costeiras, o oceano aberto, sedimentos marinhos e a atmosfera, bem como aqueles encontrados em lixo plástico. Esses “microbiomas” suportam vida na Terra e fornecem serviços ecossistêmicos à sociedade. A coordenação geral é da Stazione Zoologica Anton Dohrn em Nápoles, Itália e, no Brasil, o projeto é desenvolvido pela UFSC, FURG, USP, UFSCar e UFBA. O trabalho de campo será realizado a bordo de navios e veleiros oceanográficos. As escalas serão organizadas com as comunidades locais e partes interessadas ao longo da região costeira do Oceano Atlântico, envolvendo campanhas de divulgação, ciência cidadã, conscientização e proporcionando um programa de capacitação em larga escala para professores, estudantes, profissionais e jovens. A coordenador na UFSC é a professora Andrea Santarosa Freire (CCB).

    Além dos cinco projetos contemplados na UFSC, há também a participação dos docentes da Oceanografia Felipe Pimenta (no projeto HPC-WE) e Jarbas Bonetti (no projeto AANChOR).

    Coordenador na UFSC do projeto iAtlantic, o professor Alberto Lindner considera “muito importante o fato de a UFSC ter sido contemplada com cinco projetos desse edital. Para melhor conhecermos essas iniciativas, no dia 27 de novembro organizamos nossa primeira reunião interna dos projetos em desenvolvimento na universidade, com a participação dos professores e professoras, pós-doutorandas e alunas. Foi uma oportunidade de todos conhecerem melhor os projetos em desenvolvimento, e iniciamos também uma discussão sobre colaborações em pesquisa e extensão nos próximos anos”.

    Fonte: Site UFSC

    Projetos da UFSC nas áreas marinha e oceânica são contemplados em editais da União Europeia


  • Aberta Inscrições para processo seletivo de Trainee BRF

    Publicado em 25/11/2020 às 17:07

    A BRF, uma das maiores empresas de alimentos do Mundo, está com inscrições abertas para seu processo seletivo de Trainee que busca por estudantes egressos de Agronomia e Zootecnia  com formação entre Julho de 2018 e Julho de 2020.

    Acesse na íntegra a divulgação do Processo Seletivo.

     


  • Comissão Eleitoral anuncia o resultado da votação para Direção CCA

    Publicado em 09/11/2020 às 20:24

    A Comissão eleitoral anuncia resultado  da apuração da consulta para Direção do CCA divulgado pelo E-democracia.

    A chapa  Rosete Pescador e Marlene Grade  obteve a seguinte votação, conforme as três categorias votantes:

    Docentes:

    69 Sim + 12 Brancos = 81

    Discentes:

    294 Sim + 31 Brancos = 325;

    TAEs:

    55 Sim + 7 Brancos = 62

    Resultado Final: 88,12% SIM e 11,88 BRANCOS


  • Resultado Promoção à Classe E -Professor Titular de Carreira do Magistério Superior

    Publicado em 09/11/2020 às 13:50

    No dia 05/11 foi realizada a avaliação do Professor Claudio Manoel Rodrigues de Melo, do Departamento de Aquicultura  para Promoção à Classe E – Professor Titular de Carreira no Magistério Superior do 2º semestre de 2020, através de forma remota com transmissão ao vivo pelo canal do Youtube do CCA.

    O professor Cláudio Melo foi avaliado por meio de  Memorial de Atividades Acadêmicas , relatando a sua trajetória profissional à banca, que de forma unânime o aprovou  à promoção á classe E.

    O CCA parabeniza o professor Cláudio Melo pela sua trajetória e pela a sua grande contribuição em sua área de atuação.